sexta-feira, 31 de maio de 2013

El Salvador reage ao lobby abortista internacional

Traduzido a partir de lifesitenews.com 

Texto de Matthew Hoffman.

O tribunal constitucional de El Salvador rejeitou um pedido para permitir a uma mulher anónima, referida na imprensa como "Beatriz", matar o seu filho por nascer.

Apoiado por grupos lobby pró-aborto internacionais como a Planned Parenthood e a Amnistia Internacional, o movimento foi iniciado por um grupo pró-aborto local, argumentando que Beatriz sofre de lupus, o que implica insuficiência renal e outros problemas. Além disso, alegaram que o seu filho é anencéfalo, uma deficiência na qual o cérebro e parte do crânio da criança não se desenvolvem completamente, resultando normalmente na sua morte ainda dentro do útero ou momentos após o nascimento. 

Contudo, o tribunal constitucional daquele país rejeitou tais argumentos, apontando que "Beatriz" não sofre  desses sintomas por causa da gravidez e tem recebido cuidados adequados e monitorização de médicos para preservar a sua saúde. De acordo com a decisão do tribunal, as autoridades do governo têm "oferecido assistência médica adequada à senhora B.C,  o seu estado foi estabilizado e têm-lhe sido dados tratamentos para controlar o agravamento do lupus que lhe surgiu" e portanto "o prejuízo no direito à saúde e à vida que foi alegado, não existe." O tribunal também deixa claro que ouviu os médicos de "Beatriz", segundo os quais eles próprios não viram necessidade de realizar o aborto. "As autoridades do "Hospital Nacional de Maternidade" declararam que monitorizam constantemente o estado de saúde da referida mulher -actualmente numa condição estável- e que, no caso de uma complicação que a coloque em risco iminente, tomarão medidas justificadas do ponto de vista médico." Este testemunho contradiz as alegações das forças pró-aborto em El Salvador, as quais espalharam durante semanas a informação de que "Beatriz" estava em perigo imediato de perder a vida por causa da sua gravidez. 

A derrota da tentativa de matar a criança foi celebrada por grupos locais pró-vida como um enorme golpe desferido no lobby abortista internacional, que procurava usar esta situação como um "caso grave" para legitimar uma morte de um bebé por nascer. Julia Regina de Cardenal, do movimento "Sim à Vida", regozijou-se por "ter vencido o direito à vida e a verdade." "Para nós é uma imensa alegria El Salvador dar, uma vez mais, um exemplo ao mundo na defesa do direito à vida de todos os seres humanos, incluindo os mais pequenos, pobres, vulneráveis e indefesos." declarou ao lifesitenews.com. "Esses que manipularam cruel e desumanamente uma pobre rapariga para conseguirem a legalização da indústria abortiva em El Salvador, inventaram uma séria de mentiras agora expostas e que prejudicaram funcionários públicos", acrescentou. "Beatriz nunca precisou de um aborto. Beatriz atingiu agora as 26 semanas de gestação e os médicos que a acompanham já esclareceram que a lei não os impede de intervir para a ajudar em caso de complicação, tal como fizeram em anteriores gravidezes nas quais realizaram cesarianas às 32 semanas"
[nota do tradutor: nascimento por cesariana, e não homicídio da criança]

______________________

Comentário:

Sem surpresa, surge mais um caso de um falso "aborto terapêutico" exigido por entidades internacionais  e globalistas que promovem e lucram com a prática de abortos indiscriminados. Isto é exactamente o mesmo que o  senhor Charles Manson  andar por aí à solta exigindo a legalização do negócio da eutanásia e do "suicídio assistido", em nome dos direitos humanos. O seu interesse pelo assunto seria insuspeito e acima de qualquer dúvida. Tal como é o destes abortófilos que têm toda uma teoria e prática de tratar bebés por nascer como objectos descartáveis e carne que atiram para as lixeiras e esgotos, não lhes importando se acabam com gravidezes de mulheres doentes ou saudáveis. Há uns meses, na Irlanda, os mesmos abutres aproveitaram a morte de uma mulher grávida para exigirem a legalização do negócio de sangue. Até agora, ainda não provaram que tivesse sido necessário matar a criança para salvar essa mãe. Evidentemente, nunca o farão.

Dada a objectividade do lifesitenews.com sobre este assunto, citando termos importantes da decisão do tribunal, como são os pontos de que a mulher está a ser bem acompanhada por profissionais, vigiada, estável e fora de perigo de morte; resta aos do costume argumentarem que a referida fonte não é imparcial por ter como objectivo a defesa da proibição e criminalização do aborto. Obviamente, a esses  peritos em ad hominem e que desconfiam mais de quem defende a vida do que desconfiam de infanticidas profissionais, já não lhes interessa que a grande imprensa internacional e nacional oculte pormenores e factos tão fundamentais para percebermos este caso, promovendo assim a versão sinistra e maquiavélica dos promotores do aborto em Salvador como verdade absoluta. Enquanto isso, não existe realmente nenhuma mulher em El Salvador à beira da morte por causa da justíssima e louvável proibição e criminalização total do aborto naquele país.



Jairo Filipe

Sem comentários:

Publicar um comentário

Se vai comentar para defender a legalização do aborto veja primeiro este video. Caso mantenha a decisão de comentar para apoiar a legalização da matança dos fracos e inocentes, escusa de perder tempo. O seu comentário não será publicado.

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...