terça-feira, 22 de maio de 2012

Cortar as árvores para impedir os fogos?

É-nos dito que acabar com a lei do aborto é o mesmo que cortar as árvores como forma de impedir os fogos.

O que este promotor da matança de bebés diz é que lutar contra a lei do aborto - como forma de dar término ao aborto "ilegal" - é contraproducente uma vez que o aborto ilegal continuará a existir. No entanto, como já deveria ser sobejamente sabido, quem defende que a vida humana individual tem início na fecundação (e não num ponto arbitrário posterior) não quer acabar com o "aborto ilegal", mas sim dar fim ao aborto em si ("legal" ou "ilegal"). Os aborcionistas tendem a desviar o foco do do acto em si para o acto em versão "ilegal".

Afirmar que é perda de tempo proibir uma práctica só porque a mesma continuará a ser levada a cabo ilegalmente, é o mesmo que alegar que proibir a violação é contraproducente visto que violações continuarão a ser levadas a cabo.

Mesmo que sejam, e daí?

Legalizar a violação de mulheres não muda a natureza desta práctica, tal como legalizar o esquartejamento, decapitação e queima química de bebés inocentes não muda a natureza maligna desses actos. A violação e a matança de bebés inocentes são prácticas moralmente condenáveis em si, quer sejam "legais" ou não.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Se vai comentar para defender a legalização do aborto veja primeiro este video. Caso mantenha a decisão de comentar para apoiar a legalização da matança dos fracos e inocentes, escusa de perder tempo. O seu comentário não será publicado.

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...